Por que o fracasso do modelo da saúde no Rio serve de aviso a Renan e Rui?

saudeO Ministério Público do Rio de Janeiro recomendou que a Prefeitura suspendesse novas contratações de organizações sociais, as famosas OSs, que estão espalhadas na saúde pública.

Os motivos são uma aula para gestores como Renan Filho e Rui Palmeira, que tentam implantar o modelo carioca por estas bandas.

Há dificuldade de se fiscalizar, de maneira eficaz, os contratos de gestão, porque há fragilidade de controle.

Os problemas na fiscalização acabaram facilitando desvios que chegam a R$ 48 milhões.

Com essa interpretação, percebe-se que a crise na saúde fluminense e carioca não é causada apenas pela queda no valor do barril do petróleo interferindo nos repasses dos royalties para o Estado.

E sim- também- pela falta de transparência do modelo das OSs.

O prefeito de Maceió quis inaugurar, ano passado, uma Unidade de Pronto Atendimento, mantida por OS, no Trapiche da Barra.

Veio a crise econômica, a frustração de receita federal e o adiamento da inauguração.

Talvez fosse melhor assim.

O governador quer também uma OS gerenciando uma parte da saúde pública alagoana.

Um presídio no interior obedece a este modelo. E existe uma penumbra nos contratos. sempre denunciados pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários.

O poder público alega não ter dinheiro para responder às exigências da saúde, que pede mais pessoal e melhor estrutura nos postos.

Será que implantar OSs em Alagoas resolve o nosso problema na saúde pública, com mais de 70% da população dependente do SUS?

Vale a pena arriscar uma proposta agora alvo do Ministério Público no Rio e em outras cidades?

Renan Filho e Rui Palmeira podem ter mais certezas que dúvidas neste assunto- é o que se espera.

Por: Repórter  Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *