Número de acolhimentos a dependentes químicos cresce 38,7% em AL

e1a5260e14d121b13781ae5a05e2a9ed_LA Rede Acolhe, vinculada à Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), registrou um aumento de 38,7%, no primeiro trimestre deste ano, no número de dependentes químicos acolhidos no estado, em relação ao trimestre anterior.

De acordo com a Rede, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2015, foram acolhidos 838 dependentes químicos, enquanto nos três primeiros meses deste ano, foram registrados 1.163 acolhimentos.

O número de atendimentos também aumentou, passou de 1.347 no último trimestre do ano passado, para 1.532 nos três primeiros meses deste ano. Analisando os resultados, significa que, a cada 10 atendimentos, 7,6 dependentes foram acolhidos neste primeiro trimestre de 2016.

O resultado é fruto do empenho da Seprev, por meio da Rede Acolhe, em ampliar a assistência aos dependentes de álcool e outras drogas, para que cada um deles tenha oportunidade de ajudar a construir uma nova Alagoas.

“Este ano, os Anjos da Paz intensificaram os trabalhos de busca ativa no interior, o que ajudou a chegar nestes resultados. Como determinou o governador Renan Filho, estamos priorizando as ações de prevenção à violência em Alagoas, buscando sempre um novo jeito de cuidar das pessoas”, disse o secretário de Prevenção à Violência, Jardel Aderico.

Nessa quarta-feira, os Anjos fizeram busca ativa a dependentes químicos no município de Cajueiro. Na próxima quarta-feira (06), eles estarão em Matriz do Camaragibe, fazendo sensibilização, divulgação das ações e possíveis acolhimentos.

O dependente químico que tiver interesse em fazer tratamento terapêutico voluntário gratuito em uma das 34 comunidades acolhedoras custeadas pelo estado, pode se dirigir ao Centro de Acolhimento de Maceió, localizado à avenida Thomaz Espíndola, 263, no bairro do Farol, ou no Centro de Acolhimento em Arapiraca, situado à rua Barão de Alagoas, nº 118, bairro Alto do Cruzeiro. A Rede Acolhe conta ainda com o call center 0800.280.9390.

POR: Agência Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *