Especialista da Seprev alerta sobre os riscos de dirigir sob efeito de drogas

Texto de Victor Brasil

Além de ilegal, o uso de qualquer substância psicoativa torna altamente inseguro o ato de dirigir, da mesma forma que dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas. Dirigir sob o efeito de drogas, seja elas lícitas ou ilícitas, põe em risco não só o motorista, como os passageiros e outros que compartilham a estrada.

 

Segundo o psicólogo e especialista em dependência química da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), Amilton Júnior Amaranto, os efeitos das drogas diferem, dependendo de como elas agem no organismo e no sistema nervoso central, mas todas prejudicam as faculdades necessárias para a operação segura de um veículo. “Estas faculdades incluem as habilidades motoras, o equilíbrio e a coordenação, percepção, atenção, tempo de reação e julgamento”, explica.

 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fiocruz, em 2012, aproximadamente 3% da população brasileira com mais de 12 anos de idade relataram já ter conduzido veículos sob a influência de drogas.

 

No Brasil, dirigir veículo sob influência de substância psicoativa é crime previsto no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, o que inclui, além do álcool, todos os tipos de substâncias psicoativas que determinem dependência.

 

“É claro que cada pessoa tem a sua reação, mas, de forma geral, quando o motorista está sob efeito de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas, apresenta uma redução da capacidade de avaliar vários fatores necessários para dirigir, como o reflexo. A maconha, por exemplo, inibe a agilidade da reação”, explicou o psicólogo.

 

O especialista chama a atenção ainda para o crescente número de pessoas na utilização de loló – entorpecente preparado clandestinamente a base de clorofórmio e éter.

 

“Levando em consideração o quantitativo, hoje o loló só perde para a maconha, principalmente no número de adolescentes fazendo uso destas drogas. Estão tendo vários relatos de usuários de loló que tiveram paradas cardíacas”, disse Amilton Júnior Amaranto.

Por: Agência Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *