Chesf promete recorrer de multa de R$ 650 mil aplicada pelo IMA

miniaturaA Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) informou, na tarde desta sexta-feira (24), que vai recorrer da multa de R$ 650 mil aplicada pelo Instituto de Meio Ambiente de Alagoas (IMA) por danos ambientais ao Rio São Francisco. O auto de infração aplicado pelo IMA se deu porque o instituto constatou, por meio de laudos técnicos, que a empresa contribuiu para o surgimento da mancha negra no Velho Chico.

Por meio da assessoria de imprensa, a Chesf esclareceu que, desde o dia 9 de abril, vem buscando informações junto a órgãos de pesquisa e ambientais, monitorando a mancha deceratium furcoide, que seria o tipo de alga acumulada no reservatório de Xingó, procurando, desta maneira, apurar as causas mais prováveis e minimizar os efeitos do fenômeno.

Ainda segundo a assessoria, a Chesf tem enviado relatórios e laudos de análises para as diversas instituições, além de participado de reuniões institucionais, a exemplo dos encontros com os órgãos ambientais e com o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco, na busca por soluções para resolver o problema.

Nesse sentido, a Companhia diz que, em parceria com o Operador Nacional do Sistema (ONS), vêm implantando operações de pulsos de vazão com o objetivo de diluir a mancha. “Tais operações vêm surtindo efeitos, com diminuição gradativa da dimensão e densidade da mancha. Porém, até o momento, ela não se dispersou por completo”, informa a nota divulgada à imprensa.

A multa aplicada pelo IMA é consequência do surgimento da mancha negra que se espalhou por 34 km do Velho Chico, o que impossibilitou a pesca e o abastecimento de água em oito municípios do Sertão alagoano. A mancha é resultado, segundo investigação, da proliferação das algas, consequência da alta salinização da água.

Segundo informações do diretor de Monitoramento e Fiscalização do IMA, Ermi Ferrari, as evidências técnicas indicam que o esvaziamento de um reservatório da Usina de Paulo Afonso, feito pela Chesf, seria a única operação que poderia ter causado um problema como o que aconteceu no São Francisco.

De acordo com a assessoria do IMA, além do auto de infração, o instituto cobrou também que a Chesf realize ações com o objetivo de minimizar o impacto ambiental, além de recuperar a aérea atingida.

Por: Gazetaweb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *