Fumantes são convidados para dia de abstinência total do uso de cigarro

Texto de Raimundo Gomes

No Dia Mundial de Luta Contra o Tabaco, celebrado nesta quinta-feira (31), os fumantes são convidados para um dia inteiro de abstinência total de uso do cigarro. O alerta em todos os países tem por finalidade mostrar à população os perigos do tabaco, em prol de uma sociedade livre de cigarro.

 

Instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1987, o dia de luta contra o cigarro no Brasil é organizado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), órgão ligado ao Ministério da Saúde. As estatísticas mais recentes da OMS revelam que, por ano, morrem aproximadamente 5,4 milhões de pessoas por doenças relacionadas com o tabagismo.

 

Em Maceió, o alerta sobre o cigarro foi dado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), por meio da distribuição de material educativo e uma exposição no Calçadão do Comércio, na terça-feira (29). De acordo com a coordenadora do Programa de Combate ao Tabagismo, Vetrúcia Teixeira, o tabaco pode causar em torno de 50 doenças diferentes.

 

Estudos do Inca revelam que, em cada tragada, o fumante inala 4.700 substâncias tóxicas. Entre elas, três são consideradas as piores. A primeira é a nicotina, que provoca dependência e chega ao cérebro mais rápido que a cocaína, estando associada aos problemas cardíacos e vasculares (de circulação sanguínea).

 

A segunda é o monóxido de carbono (CO), o mesmo que sai do cano de escape dos carros. Ele combina com a hemoglobina do sangue (responsável pelo transporte de oxigênio) e acaba reduzindo a oxigenação sanguínea no corpo. É por causa da ação do CO que alguns fumantes ficam com dores de cabeça após várias horas longe do cigarro.

 

A terceira substância tida como grande vilã é o alcatrão, que reúne vários produtos cancerígenos, como polônio, chumbo e arsênio. Além do câncer de pulmão e garganta (os mais comuns), o tabaco ainda pode causar outros males, como a queda de cabelo, impotência sexual, dentes e unhas amareladas, dificuldades respiratórias e redução da expectativa de vida.

Por: Agência Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *